CotidianoPolítica

Brasileiro precisa trabalhar três dias para encher o tanque do carro

Com combustível custando R$ 4,28 o litro, abastecer o veículo pode consumir quase 10% do salário médio da população

Com a gasolina mais cara, os brasileiros estão consumindo uma fatia maior do salário para abastecer o carro. Levando em conta o rendimento médio do trabalhador, de R$ 2.169 no primeiro trimestre, é possível calcular que se gastam o equivalente a três dias de trabalho para encher um tanque de 50 litros.

O custo médio da gasolina segundo o último levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) era de R$ 4,284. Pagando esse valor, o tanque cheio sai por R$ 214,20: 9,87% do salário médio do trabalhador, de acordo com a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios).

Política de preços

Em outubro de 2016, a Petrobras adotou uma nova forma de precificar a gasolina e o diesel que saem das refinarias, acompanhando mensalmente a variação do barril de petróleo no mercado internacional e o dólar. Desde junho do ano passado, a empresa passou a fazer os reajustes com mais frequência, até diariamente.

No mês em que começou a vigorar a nova regra, o preço médio da gasolina no país estava em R$ 3,55, enquanto o dólar era cotado a R$ 3,25 e o barril de petróleo no mercado internacional a US$ 49,95.

assado quase um ano, a gasolina passou para R$ 4,28 (alta de 20,5%), o dólar está em R$ 3,64 e o barril de petróleo custa US$ 80,21 (alta de 47,4%).

Os EUA têm uma política de preços similar à brasileira, mas não sofrem com variação cambial porque o barril de petróleo é negociado em dólar.

Gasolina-Priscila Petrus

Há um ano, o galão de gasolina (3,785 litros) era vendido a US$ 2,448, em média. Em abril, fechou em US$ 2,795: alta de 14,1%. O preço já é o mais alto desde julho de 2015, segundo dados da Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos.

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou nesta terça-feira (22) que a forma de precificar a gasolina e o diesel continuará a mesma porque as altas se devem a “fatores externos” e “a empresa tem obrigação de refletir isso”.

Por outro lado, o governo tenta conter a pressão cambial das últimas semanas, com o Banco Central atuando diariamente no mercado, o que já gerou uma queda sensível da moeda norte-americana.

E na manhã de terça, a Petrobras anunciou redução no preço da gasolina nas refinarias a partir desta quarta-feira (23).

Para o professor Botelho, da FEA-USP, a política de preços da Petrobras é “muito transparente”. No entanto, ele acha que a empresa poderia ter espaçado os reajustes para evitar que as altas do câmbio e do barril de petróleo chegassem tão rápido à população.

“Não se trata de represar preços, porque isso já causou muitos prejuízos à Petrobras no passado, mas apenas de não fazer diariamente as revisões”.

No entanto, ele diz que, “infelizmente”, o consumidor deverá arcar com esse custo adicional da gasolina. “Senão, a conta vai sobrar para o governo e aí todos pagarão indiretamente”.

comentários

comentários

Tags

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido.
Close

Adblock Detected

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios