Por que sou candidato?

0

Sou filho acadêmico UFMA, onde cresci academicamente e cheguei ao topo da carreira. Sou professor Titular com vinte e nove anos de efetividade como docente.

Parte expressiva deste tempo de atividades – dezessete anos – foram dedicados à gestão acadêmica, compartilhado, de forma alternada, com as atividades de ensino (graduação e pós-graduação), pesquisa e orientações. Trata-se de uma trajetória que, sem falsa modéstia, muito me orgulha e me qualifica para a pretensão.

Como gestor acadêmico, fui Chefe do Departamento de Química, por duas oportunidades, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Química (mestrado), por duas oportunidades, e atualmente sou Diretor do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia.
Além disso, em todo período dedicado à gestão, participei dos grandes debates da Instituição, como membro de todos os Conselhos Superiores.

Nestes espaços sempre me posicionei em defesa do caráter público da Universidade e da oferta de um ensino de qualidade.
A motivação para a candidatura nasceu de frequentes apelos de parcela da comunidade acadêmica que comungam de sentimentos semelhantes na avaliação de que o padrão gestor da Universidade exige renovação.
Tal padrão, se caracteriza pela brutal centralização da gestão, que sufoca e isola os ambientes acadêmicos; por métodos ultrapassados de gerenciamentos das tarefas; e pela raiz clientelista herdada do período anterior à redemocratização do país. Trata-se, portanto, de um padrão que não se aplica à uma Universidade multicampi.
Vale registrar que este modo de gerir tem raízes na estrutura de poder, estabelecida por três décadas, que conquistou o status de zona de conforto e, obviamente, refratário às mudanças mais apropriadas as práticas contemporâneas de gestão.
Por outro lado, a conjuntura atual que, equivocadamente, coloca a Universidade Pública sobre ataque, exige posicionamento firme de combate a este propósito, que antecede a qualquer formulação de proposta de gestão.
Superada esta questão apresento como proposta realizar uma gestão participativa, transparente, agregadora de novas inteligências, com ações voltadas prioritariamente para os ambientes de ensino e produção do conhecimento.

Prof. Ridvan Nunes Fernandes

Que promova a descentralização modernizadora e implemente – num tempo não maior que três anos – uma matriz orçamentária que contemple o conjunto da gestão acadêmica. Que proporcione a verdadeira inserção dos Campi do continente no arranjo gestor da Instituição. Que oferte ensino de qualidade e produção de conhecimento de excelência.
O primeiro passo é garantir a saúde orçamentária das Instituições de Ensino Superior, caso contrário, os reitores destas irão apenas gerir massas falidas.

comentários

comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui